Conheça a técnica e os benefícios do barbear com toalha quente

Tempo de leitura: 1 minuto

Fazer a barba é uma tarefa que faz parte da vida de todos os homens. Alguns acham trabalhoso, preferem procurar um barbeiro, enquanto outros gastam um bom tempo no chuveiro se barbeando. Mas o que a maioria dos homens não sabe é que, para um perfeito barbear, algumas variáveis devem ser levadas em consideração. tais como o tamanho da barba, a espessura dos pelos, o modo como ela cresce, entre outras.

Em resumo, a tarefa de se barbear toma tempo e requer muita atenção. É por isso que muitos rapazes estão preferindo deixar esta tarefa nas mãos de quem realmente entende do assunto: um barbeiro.

Já imaginou sentar em uma confortável cadeira, enquanto recebe cuidados de cavalheiro para cavalheiro? E mais: que tal tranformar este instante em um verdadeiro momento prazeroso e relaxante?

Isso é possível porque os bons barbeiros utilizam a técnica de barbear com toalha quente (morna, na verdade). O processo consiste na colocação de uma toalha limpa, úmida e morna no rosto do cavalheiro, deixando agir por alguns instantes para, em seguida, o barbeiro utilizar a navalha com mais segurança, evitando o risco de irritações e facilitando ao máximo o processo de corte dos pelos, quase pela raíz, proporcionando um impecável barbear.

Mas fiquem atentos, o processo requer muitos cuidados, como por exemplo, a correta higienização das toalhas e a forma em que elas são aquecidas. O método segue basicamente as seguintes etapas:

  • Aquecimento da toalha
  • Inserção no rosto para abrir os poros
  • Tempo ideal de ação no rosto do cavalheiro
  • Retirada da toalha
  • Barbear com a navalha

 

Cabe lembrar, cavalheiros, que todo esse processo, além de relaxá-los com o calor no rosto, possibilita uma forma bem mais fácil de barbear, evitando atritos da navalha com a pele, diminuindo significativamente as famosas irritações ou foliculite.

Já conhece o processo de barbear com toalha quente? Dê uma passada aqui na Ademir Rocha Barbearia e venha constatar o que estamos dizendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *